14 maio, 2020

 • Mãos

Resultado clínico a curto prazo da órtese isolada versus combinação de órtese, exercícios de deslizamento tendíneo e de nervo, terapia de ultrassom para tratamento da síndrome do túnel do carpo

Síndrome do Túnel do Carpo

A Síndrome do Túnel do carpo é a neuropatia que mais atendemos na nossa prática clínica, seu tratamento é tema de muitos estudos por apresentar uma boa parte da população que apresenta algum distúrbio no membro superior.

Por esses motivos, se atualizar referente sua evolução e os tratamentos mais eficazes são importantíssimos para o nosso trabalho.

O estudo acima aplica uma comparação no tratamento da Síndrome do Túnel do Carpo, sendo que um grupo realizou  só o uso da órtese de posicionamento de punho  e o outro grupo realizou o uso da órtese junto com o acompanhamento de exercicios de deslizamento tendíneo e uso de Ultrasson (US).

 

Introdução

A síndrome do túnel do carpo (STC) tem sido descrita como a neuropatia mais comum de compressão. As apresentações clínicas incluem formigamento, alfinetadas e agulhadas, dormência e dor acima da linha mediana na distribuição nervosa. O exame físico pode revelar fraqueza atrofia dos músculos tenares associados à perda sensorial  da linha radial dos primeiros três dedos. O sinal de Tinel e o teste de Phalen são frequentemente positivos. Na compressão nervosa crônica, as alterações iniciais da STC são quebra da barreira sanguinea do nervo, seguida por subperineural edema e fibrose do tunel.

 

Tratamento

O objetivo do tratamento conservador é reduzir o edema e prevenir indiretamente a danificação do nervo. Estudos recentes comprovaram a eficácia de várias modalidades no tratamento da STC. Por exemplo, a aplicação de órteses minimizou a pressão do túnel do carpo e preservou suprimento sanguíneo para o nervo mediano, subsequentemente reduziu o edema intraneural e melhorou os sintomas da STC. Os exercícios de deslizamento tendíneo são usados ​​para reduzir a aderência do nervo no canal e dispersar os líquidos extras e aumentar a vascularização neural otimizando movimento dos nervos e tendões flexores que passam no túnel. Já a terapia de ultrassom pode reduzir a inflamação do nervo mediano e facilitar a recuperação da neuropatia por compressão. Os estudos relatam que na STC grave, a configuração do nervo mediano apresenta uma aparência de “ampulheta”, devido ao estreitamento sob a retináculo flexor espessado com edema na região distal e proximal .

Pensando nisso…

Conforme o artigo, existe uma possível desvantagem em fornecer uma combinação de modalidades de exercícios, pois isso aumentaria o número de pacientes e duração das visitas aos hospitais e Centros de Reabilitação. Isso aumentaria a capacidade financeira e carga para os pacientes e para o sistema de saúde. Portanto, o eficácia de modalidades combinadas de tratamento conservador para A STC deve ser investigada para evitar desperdícios desnecessários de tempo, energia e recursos.

 

Objetivo do Estudo

O objetivo deste estudo é avaliar as condições clínicas de curto prazo no desfecho do tratamento conservador para STC comparando uso de órtese com combinação de órteses, exercícios de deslizamento tendíneo e terapia de ultra-som.

Os pacientes diagnosticados com STC com base no exame clínico e nos critérios eletrodiagnóstico foram recrutados.

O Boston Carpal Tunnel Questionnaire (BCTQ) foi usado como medida de desfecho primário.

Procedimento

 

Sessenta e dois pacientes foram diagnosticados clinicamente com STC entre Maio de 2016 e abril de 2017 pela University Malaya Medical Centro.

Foram excluídos os pacientes com fraqueza ou perda muscular tenar, cirurgia prévia e trauma no punho, deformidade do punho, radiculopatia cervical, doença inflamatórias das articulações, outras neuropatias periféricas e STC relacionados à gravidez e diabetes.

Após a soma de 59 pacientes alocados para o estudo, eles foram randomizados para os 2 grupos, considerando os pacientes bilaterais utilizarem o mesmo tratamento sorteado.

Os grupos dividos foram: Grupo 1 com uso de órtese no período de 8 semanas, sem retirar, apenas 1 hora por dia para descanso e higienização. Grupo 2: uso do mesmo modelo de órtese, com terapia combinada de exercícios de deslizamento tendíneo e terapia de US.

Avaliação

Foram avaliados os pacientes pelo  questionário BCTQ (Boston Carpal Tunnel Questionnaire)onde foram autoadministrados. Foi dada uma breve explicação e os pacientes foram deixados sozinhos em uma sala para responder ao questionário. Dois questionários foram entregues a pacientes com STC bilateral.

Estudos eletrodiagnósticos

Os estudos de condução nervosa (SAE) foram realizados no mês de recrutamento. Isso foi realizado com a Synergy Electromyography Machine (Natus Neurology Incorporated, Middleton, Wisconsin, EUA), de acordo com o protocolo padrão do laboratório.

Órtese

Todas as órteses foram confeccionadas e modeladas na  via ventral palmar, como mostra a figura abaixo. Um Terapeuta Ocupacional que realizou a confecção de todas as órteses dos 2 grupos. A posição da órtese era com o punho em neutro e foram feitas com o termoplástico de baixa temperatura. Ajustes das órteses foram realizados consequentemente, caso os pacientes sentissem desconforto.

Fisioterapia

Exercícios padronizados de planeamento/deslizamento de nervos e de tendões foram demonstrado e supervisionado pelo investigador. Para nervo mediano, 2 exercícios foram adotados com base no estudo biomecânico de Coppieters. No primeiro exercício, extensão do punho (carregamento) e a flexão do dedo (descarga) foi alternada com a flexão do punho (descarregamento) e extensão dos dedos (carregamento). O segundo exercício consistiu em flexão do cotovelo (descarga) e extensão do punho (carregamento) alternando com extensão do cotovelo (carregamento) e punho flexão (descarga).

Para exercício de deslizamento tendíneo, usaram a técnica de Wehbe e Hunter.

Terapia por ultrassom

Os pacientes foram encaminhados a um fisioterapeuta. A terapia com ultrassom foi iniciada uma vez por semana, durante 8 semanas, e cada A sessão consistiu em 5 minutos de terapia. A máquina de ultra-som foi ajustado na freqüência de 1 MHz, intensidade de 1,0 W / cm2 e pulsado.

Resultados

Os dados demográficos e as características de pré-intervenção entre os grupos de órteses e terapia combinada foram comparáveis

Um total de 41 pacientes com 56 punhos participaram do estudo. No No grupo de órteses, havia 20 pacientes. Sete pacientes tiveram STC bilateral e 13 eram unilaterais (9 à direita, 4 à esquerda).

No grupo de terapia combinada, havia 21 pacientes com 8 STC bilaterais e 13 unilaterais (5 à direita, 8 à esquerda).

A comparação da diferença média da gravidade dos sintomas e escores de status funcional (BCTQ) antes e após a intervenção para cada grupo teve uma diferença significativa no BCTQ na gravidade dos sintomas e escores do estado funcional entre antes e após a intervenção em ambos os grupos, respectivamente. Assim, houve melhora significativa nos sintomas e função após 2 meses de intervenção em ambos grupos de forma independente. No entanto, a comparação da diferença média de Escore do BCTQ antes e após a intervenção entre os 2 grupos não mostrou diferença significativa. Portanto, não houve melhora na severidade dos sintomas ou escores de status funcional entre os grupos. As avaliações foram feitas logo na primeira avaliação e a segunda após o uso de 8 semanas da órtese.

Conforme a leitura do artigo, vale ressaltar que a terapia combinada não teve um resultado superior com o tratamento do uso da órtese isolada no tratamento precoce da Síndrome do Túnel do Carpo.

Isto sugere que não é necessário submeter os pacientes a várias terapias, caso ele aceite e suporte o uso do protocolo da ortetização.  A terapia combinada pode ser uma opção para pacientes seletivos.

Conclusão

Pacientes submetidos a tratamento conservador para STC mostrou melhora nos sintomas e função. No entanto, o combinação de órteses, exercícios de deslizamento de nervos e tendões e a terapia por ultrassom não foi superior em comparação à órtese isoladamente.

A órtese é suficiente no tratamento precoce da STC, reduzindo a custo e tempo gasto.

Discussão

Geralmente, na literatura no tratamento da STC leve e moderada, opta pelo tratamento não invasivo, e, posteriormente, planeja uma  cirurgia se caso  o tratamento falha.

Neste estudo observou-se que a modalidade conservadora é eficaz no tratamento independentemente da STC, há poucos estudos disponíveis comparando resultado de terapias únicas versus múltiplas.

Por isso, vale considerar que a  terapia combinada consome muito tempo e custo, cada sessão de terapia e mais aplicação de órtese aumentam o custo do paciente e do serviço. Como também as várias visitas ao hospital que aumentam a carga do paciente em termos de tempo e dinheiro. Além do que, os pacientes precisam se afastar do trabalho para frequentar a terapia, aumentando os custos para os pacientes e seus empregadores.

Apesar da pequena amostra, o trabalho apresenta uma boa qualidade de avaliação e procedimento. Isso nos mostra possibilidade de realizar um tratamento de ortetização com poucos retornos a terapia. Claro que orientação de  exercicios, como dessensibilização, deslizamento tendineo e analgesia podem ser feitos pelo paciente em casa. Uma estratégia boa na educação de exercícios são cartilhas ilustrativas com sequência de exercicios e analgesia.

Contato


Rua Benedito Luiz Rodrigues, 499

Bairro Nova Petrópolis - 09770-590

São Bernardo do Campo - SP

+55 11 4330-0659